Adriana Ocelot

Iniciei minha jornada de aprendizados no universo xamânico das tradições nativo-americanas, nas práticas de curanderia, no uso das medicinas da terra e nas cerimônias ancestrais em 1996 com a medicina nativa da Floresta Amazônica. Com formação acadêmica em Comunicação Social e Marketing pela PUC-RJ e San Diego Mesa College – CA respectivamente, depois de sete anos viajando pelo mundo e conhecendo as práticas da espiritualidade e da medicina em comunidades tradicionais entre Brasil, México e EUA, resolvi dedicar-me a tais práticas principalmente como um modo de vida.

Em 2004, seguindo o chamado para participar de um grande encontro de lideranças indígenas das Américas pela realização de uma antiga profecia do povo Otomi em Temoaya – México, a cerimônia dos 8000 tambores pela cura da Mãe Terra, esse caminho das tradições nativo-americanas afirmou-se definitivamente em minha vida. Durante dois anos, vivi num pequeno povoado Otomi,  Atlapulco, onde tive minha 3ºfilha Ketzalli, com a ajuda da parteira tradicional do povoado, com quem aprendi do temazkal terapêutico na cura e no pré e pós-parto e do partejar na tradição. Durante esse período, acompanhei o pai de Ketzalli, chefe de tradição, em diversas cerimônias e recebi minhas primeiras iniciações no caminho da Chanumpa.

De volta ao Brasil em 2006, abrimos um círculo cerimonial em Itaipava – RJ com Temazkal, Busca de Visão e cerimônias de medicina do norte e do sul da América numa aliança entre os povos.

Gestora do Ciclo de Medicinas da Terra para mulheres, guardiã do Templo de Lua, estudiosa das propriedades curativas das plantas medicinais e praticante das terapias e cerimônias nativas, seguidora do caminho vermelho, temazkalera, dançante do Sol em Crow Dog´s Paradise – Rosebud reservation, SD, EUA, em Tamoanchan, Nayarit, México e Guasca, Colômbia, dançante da Lua em Ollitlahuimetztli, Teotihuacan, México, dirigente da Busca de Visão no Brasil em aliança com a  Dança do Sol em Guasca,  Colômbia sob chefia do abuelo Alfonso Castillo ambas na linhagem lakota,  membro do grupo Guardiões Huni Kuin, pelos saberes e medicinas da floresta, sigo dedicando-me ao fortalecimento e à difusão dos saberes ancestrais dos povos nativos das Américas.